domingo, 13 de julho de 2008

ESTUDO DOS PRONOMES

Observe as ilustrações a seguir e atente para as frases que as acompanham:







Agora, observe atentamente os termos destacados nas frases seguintes:

Quando ele mostrou as pesquisas, eu caí do cavalo.

A não compreensão do público me assustou.

A meta é atingir aquele patamar.

O sucesso justifica qualquer coisa.

Nos dois primeiros exemplos, a função desses termos é substituir o nome (substantivo); já nos dois últimos, sua função é acompanhar o substantivo, determinando a extensão de seu significado. Tais palavras são denominadas pronomes.

Pronome é a palavra variável em gênero, número e pessoa que representa ou acompanha o substantivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discurso ou situando-o no espaço e no tempo.

Quando o pronome representa o substantivo, dizemos tratar-se de pronome substantivo:

Ele não veio.

Convidei-o para a festa.

Quando o pronome acompanha o substantivo, dizemos tratar-se de pronome adjetivo:

Esta casa é antiga.

Meu livro está rabiscado.

Muitos livros são interessantes.

Isoladamente, o pronome não tem significado, pois não temos condições de identificar o ser a que ele se refere. Portanto, o pronome expressa um ser apenas quando inserido num contexto.

Paulo é uma pessoa divertida. Convidei-o para a festa, mas ele não veio.

Há em português, seis espécies de pronomes: pessoais; interrogativos; demonstrativos; relativos; indefinidos; interrogativos.

As pessoas do discurso

Como o pronome, via de regra, está relacionado às pessoas do discurso (ou seja, às pessoas que participam de uma fala, de uma conversação), é fundamental identificá-las.

São três as pessoas do discurso:

primeira pessoa – aquela que fala.
segunda pessoa – aquela com quem se fala.
terceira pessoa – aquela de quem (ou de que) se fala.

Imaginemos um fragmento de conversa em que José (primeira pessoa) fala com Juliana (segunda pessoa) sobre Tiago (terceira pessoa):

-Eute disse: não quero falar sobre ele!

Eu é um pronome que indica a primeira pessoa, a pessoa que fala (José); te é um pronome que indica a segunda pessoa, no caso, Juliana, com quem José fala; ele é um pronome que indica a terceira pessoa, de quem se fala, ou seja, Tiago.

1) Pronomes pessoais

Pronomes pessoais são aqueles que representam as pessoas do discurso. Além das flexões de pessoa (primeira, segunda e terceira), gênero (masculino e feminino) e número (singular e plural), o pronome pessoal apresenta variação de forma (reto ou oblíquo), dependendo da função que desempenhar na oração.
O pronome pessoal será reto quando desempenhar a função de sujeito da oração e será oblíquo quando desempenhar a função de complemento verbal.

Os pronomes pessoais são os seguintes:


As formas sintéticas comigo, contigo, conosco, convosco, e consigo resultam da combinação da preposição com + os pronomes oblíquos correspondentes.

Pronomes de tratamento

Na categoria dos pronomes pessoais, incluem-se os pronomes de tratamento. Eles se referem à pessoa com quem se fala (portanto, segunda pessoa), mas a concordância gramatical deve ser feita na terceira pessoa. Convém notar que, com exceção de você, esses pronomes são empregados no tratamento cerimonioso.

Veja alguns deles:


São também pronomes de tratamento: o senhor, a senhora, você, vocês.

Emprego dos pronomes pessoais:

1. Os pronomes oblíquos conosco e convosco são utilizados normalmente em sua forma sintética. Caso haja palavra de reforço, tais pronomes devem ser substituídos pela forma analítica:

Queriam falar conosco.
Queriam falar com nós dois.

2. Os pronomes oblíquos o, a, os, as, quando precedidos de verbos que terminam em –r, -s, - z, assumem a forma lo, la, los, las, e os verbos perdem aquelas terminações.

Vou amá-lo por toda a minha vida. (amar + o)
As nossas crianças, amemo-las com intensidade. (amemos + as)
O jogo, fi-lo sozinho. (fiz + o)

3. Os pronomes oblíquos o, a, os, as, quando precedidos de verbos que terminam em –m, - ão, -õe, assumem a forma no, na, nos, nas.

Entregaram-no ao professor.
O assunto, dão-no por encerrado.
Abençõem-nos para que partam tranqüilos.

4. Na primeira pessoa do plural (nós), a forma verbal perde o s final quando seguida do pronome oblíquo nos.

queixamos + nos = queixamo-nos
referimos + nos = referimo-nos

5. As formas plurais nós e vós podem ser empregadas para representar uma única pessoa (singular), adquirindo valor cerimonioso ou de modéstia.

Nós – disse o prefeito – procuramos resolver o problema das enchentes. (plural de modéstia)
Vós sois minha salvação, meu Deus! (plural de majestático)

6. Os pronomes de tratamento devem vir precedidos de vossa, quando nos dirigimos à pessoa representada pelo pronome, e por sua, quando nos referimos a essa pessoa.

Vossa Excelência já aprovou os projetos? – perguntou o assessor.
Sua Excelência, o governador, deverá estar presente à inauguração – relatou o repórter.

Na primeira frase, empregou-se Vossa Excelência porque o interlocutor falava com o governador. Na Segunda, o repórter utilizou a forma Sua Excelência porque falava do governador.

7. No português moderno falado no Brasil, você deixou de ser pronome de tratamento e assumiu todas as características e funções de um pronome pessoal de segunda pessoa substituindo o tu e o vós. No entanto, continua fazendo a concordância com o verbo na terceira pessoa.

Você irá ao cinema? (você: segunda pessoa; irá: terceira pessoa)
Vocês irão ao cinema? (vocês: segunda pessoa; irão: terceira pessoa)

2) Pronomes possessivos

Pronomes possessivos são aqueles que se referem às pessoas do discurso, indicando idéia de posse.

Meu chapéu é vermelho
Posso ler teu jornal?

Os pronomes possessivos são os seguintes:


Concordância dos pronomes possessivos:

Os pronomes possessivos concordam em gênero e número com a coisa possuída, e em pessoa com o possuidor.

(Eu) Vendi meus discos.
(Eu) Vendi minha coleção de discos.

(Tu) Releste teus papéis?
(Tu) Releste tua prova?

(Nós) Emprestamos nossos discos.
(Nós) Emprestamos nossa casa.

Quando o pronome possessivo determina mais de um substantivo, ele deverá concordar em gênero e número com o substantivo mais próximo.

Fiquei ouvindo meus discos e fitas.

Emprego dos pronomes possessivos:

1. Em muitos casos, a utilização do possessivo de terceira pessoa (seu e flexões) pode deixar a frase ambígua, ou seja, podemos ter dúvidas quanto o possuidor:

A professora disse ao diretor que concordava com sua nomeação. (nomeação de quem? Da professora ou do diretor?)

Para evitar essa ambigüidade, deve-se, sempre que possível, substituir o pronome seu (e flexões) pela forma dele (e flexões).

A professora disse ao diretor que concordava com a nomeação dela. (da professora)
A professora disse ao diretor que concordava com a nomeação dele. (do diretor)

2. Há casos em que o pronome possessivo não exprime propriamente idéia de posse. Ele pode ser utilizado pra indicar aproximação, afeto ou respeito.

Aquele senhor deve ter seus cinqüenta anos. (aproximação)
Meu caro aluno, procure esforçar-se mais. (afeto)
Minha Senhora, permita-me um aparte. (respeito)

3. A palavra seu que antecede nomes de pessoas não é pronome possessivo, mas corruptela de senhor.

Seu Humberto, o senhor poderia emprestar-me a furadeira?

3) Pronomes demonstrativos

Pronomes demonstrativos são aqueles que indicam a posição de um ser em relação às pessoas do discurso, situando-o no espaço ou no tempo.
Dependendo do contexto, também podem funcionar como pronomes demonstrativos as seguintes palavras: o, a, os, as, mesmo, próprio, semelhante, tal.

Falaram tudo o que queriam.
As atletas convocadas não eram as que estavam em melhor forma.

Tal é pronome demonstrativo quando equivale a este, esse, isso (e respectivas flexões):

Não havia motivos reais para tal comportamento.
Jamais consegui compreender tais decisões.

Semelhante é pronome demonstrativo quando equivale a este, esse, tal (e respectivas
reflexões).

Não diga semelhante asneira!

Mesmo e Próprio são demonstrativos de reforço. Estarão sempre se referindo a um substantivo ou pronome com o qual deverão concordar:

Ele mesmo preparou o jantar.
Ela própria autorizou a viagem do filho.
Fizeram as mesmas reclamações ao síndico.
Não se deve fazer justiça pelas próprias mãos.

Os pronomes demonstrativos, com exceção de mesmo, próprio, semelhante e tal, podem aparecer unidos a preposições.

deste, desta, disto (= de + este, esta, isto)
nesse, nessa, nisso (= em + esse, essa, isso)
daquele, daquela, daquilo (= de + aquele, aquela, aquilo)
àquele, àquela, àquilo (= a + aquele, aquela, aquilo)

Emprego dos pronomes demonstrativos:

1. Os pronomes demonstrativos podem ser utilizados para indicar a posição espacial de um ser em relação às pessoas do discurso.

Os demonstrativos de primeira pessoa (este e flexões, isto) indicam que o ser está próximo à pessoa que fala:

Esta menina que está aqui ao meu lado se chama Lúcia.
Este livro que trago comigo é um romance.
Isto que eu tenho nas mãos é uma chave.

Os demonstrativos de segunda pessoa (esse e flexões, isso) indicam que o ser está próximo à
pessoa com quem se fala.

Essa menina que está aí ao teu lado se chama Lúcia.
Esse livro que tu trazes contigo é um romance.
Isso que você tem nas mãos é uma chave.

Os demonstrativos de terceira pessoa (aquele e flexões, aquilo) indicam que o ser está próximo à pessoa de quem se fala, ou distante dos interlocutores.

Aquela menina que estuda na outra sala se chama Lúcia.
Aquele livro que está lá na biblioteca é um romance.
Aquilo que está ali nas mãos de Pedro é uma chave.

2. os demonstrativos servem para indicar a posição temporal, revelando proximidade ou distanciamento no tempo, em relação à pessoa que fala.

O demonstrativo de primeira pessoa este (e flexões) revela tempo presente, ou bastante
próximo do momento em que se fala:

Hoje é feriado, por isso desejo aproveitar este dia.
Desejo viajar ainda nesta semana.

O demonstrativo de segunda pessoa esse (e flexões) revela tempo passado relativamente
próximo ao momento em que se fala:

Na quarta-feira passada fiz aniversário; nesse dia reuni-me com os amigos.
No mês passado completei dezoito anos; nesse mesmo mês tirei a carteira de habilitação.

O demonstrativo de terceira pessoa aquele (e flexões) revela tempo remoto ou bastante vago:

Em 1970, a seleção brasileira de futebol era imbatível. Resultado: naquele ano o Brasil se
sagrou tricampeão mundial.
Em 1922 realizou-se a semana da Arte Moderna em São Paulo; naquela época, muitas
pessoas criticaram as propostas modernistas.

3. Os pronomes demonstrativos podem indicar o que ainda vai ser dito e aquilo que já foi dito.

Devemos empregar este (e flexões) e isto quando queremos fazer referência a alguma coisa que ainda vai ser dita:

Espero sinceramente isto: que sejam chamados os melhores.
Estas são as qualidades de um bom texto: clareza, correção, elegância e concisão.

Devemos empregar esse (e flexões) e isso quando queremos fazer referência alguma coisa que
já foi dita:

Que sejam chamados os melhores; é isso que espero.
Clareza, correção, elegância e concisão; essas são as qualidades de um bom texto.

Emprega-se este em oposição a aquele quando se quer fazer referência a elementos já
mencionados. Este se refere ao mais próximo; aquele, ao mais distante.

Matemática e Literatura são matérias que me agradam: esta me desenvolve a sensibilidade;
aquela, o raciocínio.

4) Pronomes relativos

Pronomes relativos são aqueles que retomam um termo anterior (antecedente) da oração, projetando-o numa outra oração.

Não conhecemos os alunos. Os alunos saíram.
Não conhecemos os alunos que saíram.

Observe: o pronome relativo que retoma o termo antecedente (os alunos), projetando-o na
oração seguinte.

Os pronomes relativos são os seguintes:


Emprego dos pronomes relativos:

1. Os pronomes relativos virão precedidos de preposição se a regência assim determinar.

Este é o autor a cuja obra me refiro. (me refiro a)
Este é o autor de cuja obra gosto. (gosto de)
São opiniões em que penso. (penso em)

2. O pronome relativo quem é empregado com referência a pessoas e é precedido de preposição:

Não conheço a menina de quem você falou.
Este é o rapaz a quem você se referiu.

3. É comum empregar o relativo quem sem antecedente claro. Nesse caso, ele é classificado como relativo indefinido e não é antecedido de preposição:

Quem cala consente. (= Aquele que cala, consente)

4. O pronome relativo que pode ser empregado com referência a pessoas ou coisas:

Não conheço o rapaz que saiu. (pessoa)
Não li o livro que você me indicou. (coisa)

5. Quando precedido de preposição monossilábica, emprega-se o pronome relativo que. Com preposições de mais de uma sílaba, usa-se o relativo o qual (e flexões).

Esta é a pessoa de que lhe falei.
Esta é a pessoa sobre a qual lhe falei.
Aquela é a ferramenta com que trabalho.
Aquele é o empreiteiro para o qual trabalho.

6. O pronome relativo que pode ter por antecedente o pronome demonstrativo o (e flexões).

Cesse tudo o que a Musa antiga canta...” (Camões)
Sei o que estou dizendo.
Calou o que sentia.

Nesses casos o pronome o equivale a aquilo.

7. O pronome relativo cujo (e flexões) é relativo possessivo, equivalendo a do qual (e flexões). Deve concordar com a coisa possuída:

Esta é a pessoa em cuja casa me hospedei. (casa da pessoa)
Esta é a cidade cujas praias são lindas. (praias da cidade)
Feliz o pai cujos filhos são ajuizados. (filhos do pai)

8. O pronome relativo quanto (e flexões) normalmente tem por antecedentes os pronomes indefinidos tudo, tanto etc.; daí seu valor indefinido.

Falou tudo quanto queria.
Coloque tantas quantas forem necessárias.

Também pode ser empregado sem antecedente. Esse emprego é comum em certos documentos jurídicos:

Saiba quantos lerem esta escritura...

9. O relativo onde é usado para indicar lugar e equivale a em que, no qual.

Esta é a casa onde moro.
Não conheço o lugar onde você está

Onde é empregado com verbos que não dão idéia de movimento. Pode ser usado sem
antecedente.

Sempre morei na cidade onde nasci.
Fique onde está.

Aonde é empregado com verbos que dão idéia de movimento e equivale a para onde, sendo resultado da combinação da preposição a + onde.

Não conheço o lugar aonde você irá.
Voltei àquele lugar aonde meu pai costumava me levar quando criança.

5) Pronomes indefinidos

Pronomes indefinidos são aqueles que se referem à terceira pessoa do discurso de modo
vago e impreciso.

Alguém me contou a verdade.
Algo me diz que não é este o caminho.

Os principais pronomes indefinidos são os seguintes:


Os pronomes indefinidos também podem aparecer sob forma de locução pronominal: cada qual, quem quer que, qualquer um.

Emprego dos pronomes indefinidos:

1. O indefinido algum, quando posposto ao nome, assume valor negativo, equivalendo a nenhum.

Motivo algum me fará desistir do cargo.
Livro algum faz referência a este episódio.

2. O pronome indefinido cada não deve ser utilizado desacompanhado de substantivo ou numeral:

Recebemos cem reais cada um.

3. Certo é pronome indefinido quando anteposto ao nome a que se refere. Quando posposto, será adjetivo:

Não entendi certos exercícios. (pronome indefinido)
Os exercícios certos valerão nota. (adjetivo, com sentido de “corretos”)

4. Todo, toda (singular), quando desacompanhados de artigo, significam qualquer.

Todo homem é mortal. (qualquer homem)

Quando acompanhados de artigo, passam a dar a idéia de totalidade.

Ele comeu todo o bolo. (o bolo inteiro)

No plural, todos, todas sempre virão seguidos de artigo, exceto se houver palavra que os exclua, ou numeral não seguido de substantivo:

Todos os alunos compareceram.
Todos estes alunos compareceram. (estes: palavra que exclui o artigo).
Todos os cinco alunos compareceram.

5. Qualquer tem por plural quaisquer.

Acabaram acolhendo quaisquer soluções.

A palavra qualquer, quando posposta ao substantivo, assume valor pejorativo:

Era um malandrinho qualquer.

6) Pronomes interrogativos

São aqueles usados para formular alguma pergunta, de forma direta ou indireta.

Que impacto a rejeição do público causou em você? (interrogativa direta)
Gostaria muito de saber quem fez isso. (interrogativa indireta)

Por suas características, os pronomes interrogativos assemelham-se aos pronomes indefinidos.

2 comentários:

Abgail Bessa disse...

Professor, achei interessante e gostaria de compartilhar com todos.

O emprego do pronome indefinido.

Era uma vez quatro indivíduos que se chamavam
todos, alguém, cada um e ninguém.

Existia um importante trabalho a ser feito,
e pediram a todos para fazê-lo.
Todos tinham certeza de que alguém o faria.
Cada um poderia tê-lo feito, mas na realidade ninguém o
fez.

Alguém se zangou, pois era trabalho de todos!
Todos pensaram que cada um poderia tê-lo feito
e ninguém duvidava de que alguém o faria.

No fim das contas, todos fizeram críticas a cada um
porque ninguém tinha feito o que alguém poderia ter feito.

*** Moral da história***

Sem querer recriminar a todos,
seria bom que cada um
fizesse aquilo que deve fazer
sem alimentar esperança de que
alguém vá fazê-lo em seu lugar...
A experiência mostra que
lá onde se espera alguém,
geralmente não se encontra ninguém.

Estou repassando a todos a fim de que
cada um possa repassá-lo a alguém
sem esquecer de ninguém.

Rita de Cassía disse...



Mais uma vez seu blog me ajudou bastante, sou sua fã numero 1




Veja também:


ATIVIDADES SOBRE PRONOMES

Atividades sobre Pronome Interrogativo com gabarito

Atividades sobre Pronome Indefinidos com gabarito

Atividades sobre Pronome Possessivo com gabarito

Atividades sobre Pronome Pessoal com gabarito

Atividades sobre Pronome Relativo com gabarito

Atividades sobre Pronome Oblíquo com gabarito

Atividades sobre Pronome " lhe " com gabarito

Atividades sobre Pronomes com gabarito



O QUE SÃO PRONOMES:

O que são Pronomes Pessoais

O que são Pronomes Relativos

O que são Pronomes de Tratamento

O que são Pronomes Possessivos

O que são Pronomes Demonstrativos

O que são Pronomes Indefinidos e Interrogativos